[Artigo de Opinião]Incineration Words – Sobre o suicídio de Chester Bennington

1

Eu normalmente não costumo escrever qualquer coisa aqui além do que se passa na Shoryuken com jogos de luta, e ainda por cima com frequência irregular. De fato, eu mesmo parei de escrever no meu antigo blog, o Dozerblog, há mais de um ano. Mas eu simplesmente não consigo ficar quieto ante ao que aconteceu ontem.

Ontem, eu estava no meio de algumas coisas na Internet quando meu sobrinho chega no meu quarto e me diz que Chester Bennington, um dos vocalistas e o frontman do Linkin Park, se matou. Eu fiquei incrédulo, achei que era zoeira, e então pesquisei o nome do cara no Google. A primeira notícia que apareceu foi sobre o suicídio dele. Era bem real.

Entre piadinhas sobre o fracasso de One More Light (Disco recente da banda, lançado há uns meses) e Chris Cornell (Que morreu exatos dois meses antes de Chester e estaria fazendo aniversário justamente no mesmo dia, sem mencionar que ambos se mataram enforcados), eu estava tentando processar o que aconteceu ali.

Antes de tudo, eu preciso dizer que eu sou um fã de Linkin Park desde quando eu só conhecia o que passava da banda na MTV. Isso quer dizer que, até 2012, 2013, eu só conhecia de Linkin Park os singles que a MTV passava, o Collision Course com o Jay-Z e Cure For the Itch, do primeiro disco, que recebeu um clipe bem obscuro. Depois que eu comecei a ouvir os outros discos e perceber que sim, eu gostava muito de Linkin Park.

A notícia da morte de Chester me deixou chocado. Quer dizer, como assim, Chester Bennington se matou? De todos os caras, ele era o caso mais improvável de suicídio, o cara era um Iron Woobie total. O cara teve uma vida miserável antes da banda, era tão pobre que a aliança do primeiro casamento foi uma tatuagem; já na banda, todo tipo de infortúnio acontecia com ele. E ele se mantinha sorrindo e fazendo piada apesar de tudo. Okay, poderíamos entrar no argumento e dizer que a mesma coisa rolava com Robin Williams, mas não muda o fato de que aquilo ali… Simplesmente não era pra acontecer.

À noite, conversando com um amigo meu, que ficou louco da vida porque ele percebeu que tinha percebido um padrão no novo disco…

Esse amigo meu percebeu com o suicídio do Chester que as letras de One More Light não eram só sobre depressão. Eram sobre algo mais. Ele mesmo comentava no Discord com o pessoal que os singles lançados tinham cara de despedida. E então, com o suicídio, ele olhou direito as letras de One More Light. E chegou numa epifania violenta: O disco é basicamente a carta de suicídio do Chester.

Quer dizer, caras, olhem cada letra do disco. Já era sabido que o disco tratava muito de depressão, mas as letras todas juntas são basicamente uma enorme carta de suicídio. Um sinal escondido que Kurt Cobain jamais teria sido genial o bastante pra deixar (Bem, teve o Acústico MTV dele como um jeito dele estar no próprio funeral, mas mesmo assim). Some isso agora à reação absurda dele à recepção horrível que o disco teve (Transformar Linkin Park em banda pop certamente não ajudou). Será que o Corey Taylor deve estar se perguntando “Que monstro eu criei?” no que refere ao toco lendário que ele mandou no Chester?

E as pessoas próximas ao Chester? Não é possível que a mulher e os SEIS filhos dele não soubessem que o cara tava planejando dar fim na vida dele. Caramba, Mike Shinoda, parceiro de banda, o melhor amigo do cara, ajudou Chester a gravar o que basicamente era a carta de suicídio dele e não se deu conta? Quando Cobain estava prestes a se matar, tinha gente muito bem ciente de que ele tava perto disso, como Michael Stipe, hoje ex-vocalista do REM. Mas no caso do Chester, foi tão… Stealth. Tão sorrateiro. E ao mesmo tempo tão gritante. Quer dizer, o cara gravou uma carta de suicídio de uma hora disfarçada de música pop, como nem mesmo os membros da banda perceberam???

Pra gente, agora fica esse… Vazio, sabe? Caramba, eu estou vendo gente falar que nem mesmo os memes de Naruto com a banda vão ter o mesmo sabor agora. Pra mim, eu não sei. O material da banda tá aí, na Internet (Os caras nunca tiveram muito problema com pirataria, contanto que você ouvisse as faixas na ordem), então o legado do Linkin Park vai ficar por um bom tempo. Sobre o futuro da banda? Eu não sei se o Shinoda continuaria sem o Chester, não como Linkin Park. A banda quase sempre foi os dois comandando a coisa toda, mesmo se Shinoda é o líder. Shinoda obviamente deve estar horrivelmente abalado pelo evento e pode ser, sim, que ele encerre as atividades do Linkin Park por conta desse evento.

Ao Chester… Talvez eu deva meus agradecimentos, já que o que ele berrou em suas músicas entraram em minha mente. Talvez na de muitos adolescentes e até adultos, até. Eu ainda ouço muito Linkin Park e outras bandas que foram inauguradas pelo cenário do Nu Metal. Espero que onde quer que o Chester esteja, ele encontre um mínimo de paz.

Quando ao disco, One More Light… Bem, talvez eu dê uma ouvida nele. Nem que seja pra entender a gravidade dessa composição toda.


Compartilhe.

Sobre o Autor

Jogador de videogame desde os 7 anos, conhecido como o homem dos "33 Segundos" e o "Vagabundo Doido e Solto" em comunidades de Sonic, Zero Dozer acompanha as notícias da Shoryuken e tem a missão de trazer ao Recanto o que acontece de importante no mundo dos jogos de luta.

  • rosemon

    Who cares when someone’s time runs out?
    If a moment is all we are
    We’re quicker, quicker
    Who cares if one more light goes out?
    Well I do