[Crítica]- A Bela e a Fera

0

maxresdefault (15)

Me lembro quando era criança assistindo pela primeira vez a animação da A Bela e a Fera. Nunca pensei que poderia ver esse conto na telinha do cinema. Nós fomos assistimos o mais novo filme da Walt Disney,  A Bela e a Fera e vamos falar mais um pouco sobre o que achamos para vocês.

Confesso que quando fiquei sabendo que a Disney iria adaptar para o cinema uma de suas histórias mais famosas, eu fiquei com receio de que isso de alguma forma poderia estragar todo o conto. Mas bom vamos começar falando sobre o desenvolvimento que é padrão da Disney. O filme começa devagar, sem muita história, apenas apresentados os personagens e ao longo do filme o desenvolvimento vai crescendo, transformando o filme totalmente.

Uma das coisas que mais me impressionou no filme foi a questão dos efeitos especiais. Estamos falando de um conto de fada, com criaturas mágicas, magia, castelos enormes e entre outras coisas que os efeitos especiais são quase que indispensáveis. No A Bela e a Fera os efeitos estão em todo o momento. Eles foram muito bem trabalhados, principalmente as paisagens. Obviamente que não poderíamos de citar a Fera, já que ela e todo o seu castelo é feito por VFX. O grande problema é que quando se tem muitas cenas feitas por efeitos especiais, alguma coisa vai ficar tosca. E é exatamente isso que aconteceu, em determinados momentos (principalmente o do baile) a Fera fica toda robotizada, se você prestar um pouco mais de atenção vai perceber claramente que a Fera não é algo que estava no cenário, e sim que foi adicionado na pós-produção. Mas quem liga para erros nos efeitos em um filme que é voltado para adolescentes e crianças?

Como era na animação a trilha sonora é maravilhosa, e isso se manteve em peso na adaptação para o cinema. As músicas emocionam e te trazem um sentimento de nostalgia, já que muitas músicas foram quase que 100% aproveitada da animação de 1991. Sem dizer que as novas trilhas são simplesmente maravilhosas, transformando a experiencia do filme em algo único. Caos esteja interessado em escutar a trilha sonora, você poderá conferir ela completa logo abaixo, escutando diretamente pelo Spotify

Já o roteiro não tem muita coisa para falar, já que o filme é basicamente a história original que a Disney apresentou em 1991. O filme é voltado quase que totalmente para o público infanto-juvenil, a não ser alguns elementos no filme que foram feitos apenas para os adultos entenderem, exatamente como nós somos acostumados a ver nos filmes da Disney. A coisa que gerou mais polemica nos últimos dias nas redes sociais foi a tal cena do beijo gay durante o filme, já posso adiantar que a Disney cortou essa cena ou ela nunca existiu mesmo. De fato, temos um personagem homossexual, mas não temos nenhum tipo de beijo ou algo explicito. O que vemos é que o personagem Le Fou que é escudeiro de Gastão, acaba gostando de seu mestre. Além disso vemos no final do filme uma cena onde Le Fou apenas dança com outro cara.

A atuação é algo bem mediano, muito estavam esperando que a Emma Watson roube a cena do filme. De fato, isso acontece, ela se destaca muito positivamente no filme, porém ainda olho para ela e vejo a Hermione de Harry Potter, o próprio jeito dela parece muito com sua antiga personagem. Já os outros atores não possuem nada demais em sua atuação.

Confira o trailer do filme logo abaixo:

A fantástica jornada de Bela, uma jovem linda, brilhante e independente que é aprisionada pela Fera em seu castelo. Apesar de seus medos, ela se torna amiga dos serviçais encantados e aprende a enxergar além do exterior horrendo da Fera e percebe o coração gentil do verdadeiro Príncipe que existe em seu interior

 A Bela e a Fera chega aos cinemas brasileiros em 16 de março de 2017

 

 

 

7.5 Muito Bom
  • Enredo 6
  • Efeitos Especiais 9
  • Fotografia 8,5
  • Trilha Sonora 10
  • Atuação 5
  • Roteiro 7

Compartilhe.

Sobre o Autor

Amante cinematográfico, adorador de música, games e viciado em Star Wars, um amor que nunca será entendido. Em seu tempo livre gosta de comer, ler e ficar procurando um jeito de viajar para uma galáxia muito distante.