(Wii) Rodea: The Sky Soldier. Uma pedra preciosa no subsolo da indústria

0

2

Observação: a versão que testamos é exclusivamente de Nintendo Wii.

Rodea: The Sky Soldier é claramente uma homenagem de Yuji Naka, um dos criadores de Sonic (game) e programador, ao jogo Nights de Sega Saturn. Para aqueles que estão familiarizados com a mecânica, o jogo será bem simples de ser executado pelo jogador e criará uma imersão extremamente intensa e divertida.

O título é separado por mundos e cada mundo tem 5 níveis, sendo que sempre o 5º será uma batalha contra um chefe. Todas de forma diferenciada e com gimmicks únicos. Sem contar o cenário adequado para cada situação e em cada nível existe desafios únicos e desenvolvimento de level design adequado para que o jogador sinta uma dificuldade sendo aumentada com um tempo. O melhor de tudo, esse jogo não precisava nem de um desenvolvimento de tutorial no prólogo. O jogo te oferece as dicas através de elementos visuais e desenvolvimento de interações.

Game design

O game design compreende uma simplicidade extremamente funcional. Ele dá todas as dicas visuais e interativas para que o jogador compreenda tudo de forma simples e rápida, evitando quebras de imersões. Um jogo genial da Prope, desenvolvedora do game, mas muitas vezes essas interações tornam-se repetitivas, infelizmente, mas ainda extremamente funcionais e além do que deve ser, garante que o jogo foi realmente estudado e muito bem trabalhado nessa parte.

1

Gameplay/Mecânica:

A mecânica é bem simples e funciona através de power ups. No início, o jogador tem a capacidade de avançar voando para determinadas partes. No momento que você acha um determinado item, essas interações mudam com base no que você já tinha. Por exemplo: atacar segurando um botão ou até mesmo utilizando armas. Além disso, itens extras que lembram Sonic estarão no jogo como escudo ou life up. Tudo extremamente funcional e bonito, mas poderia ter um pouco mais de polimento. A câmera pode não ajudar tanto o jogador e a mira necessita de extrema precisão, mas tirando isso, o resto como disse, é funcional e bonito.

Gráfico:

Como analisamos a versão de Nintendo Wii, ignorando o Wii U e o Nintendo 3DS, o gráfico é mediano para bom. Muitas texturas se repetem, por mais bonito que seja e que se encaixa com a proposta artística do jogo. A expressão facial de cada personagem durante as CGs não são as melhores e poderia ser um ponto melhorado. O restante está bem encaixado e está bem adaptado ao jogo.

3

Trilha sonora:

Outro ponto muito importante para se destacar é a trilha muito bem trabalhada, executada e mixada. O jogo fez questão de me fazer prestar atenção na música enquanto jogava, sem sem aquelas “orquestras” apenas por ambientar. Esse é um ponto bem crucial para a imersão, aquelas trilhas que separam a música simplesmente por estar ambientando da trilha que contém música na qual você pode até parar de jogar o game para escutá-la. Tudo bem arranjado e com bastante melodia.

Veredito:
Esse jogo traz uma experiência única, podendo ser nostálgica ou até nova, dependendo do jogador. Tudo de forma bem executada e saindo da massa que nós temos hoje de FPS e de indie com péssima execução.

Resultado

8.5 Incrível

Esse jogo traz uma experiência única, podendo ser nostálgica ou até nova, dependendo do jogador. Tudo de forma bem executada e saindo da massa que nós temos hoje de FPS e de indie com péssima execução.

  • Game Design 8.5
  • Gameplay 8.0
  • Gráficos 8.0
  • Trilha Sonora 9.5

Compartilhe.

Sobre o Autor

Lucas Hinz

Compositor independente, fascinado por jogos e estuda por lazer, trabalha com fluxos formalmente e pretende se tornar diretor fonográfico.