Beija Flores podem trazer pistas para melhorar a tecnologia dos helicopteros

0
p1

 

O único tipo de ave que se baseia exclusivamente em sua própria força para pairar no ar é o beija-flor. O bater de suas asas requer mais potência mecânica baseada em massa (Lembra do Tio Newton? As leis dele entram aqui) do que qualquer outra forma de locomoção. Agora, os cientistas descobriram que a eficiência da pequena ave vem a partir da razão do comprimento da asa com a sua largura.

Pesquisadores da Universidade de Stanford e da Universidade de Wageningen testaram o desempenho de 26 asas de beija-flor de 12 espécies diferentes em uma máquina que mede o torque e a força de sustentação que as asas produziram em vários ângulos.

O estudo, publicado on-line em 29 de julho de 2014 no Journal of the Royal Society Interface de , mostra que a energia necessária para sustentar um beija-flor é altamente dependente da relação de aspecto da asa da ave.

Durante o toque menor, asas com uma proporção maior (de 3,5 a 4,0 para beija-flores) usam muito menos energia do que as asas com proporções menores.

O estudo também constatou que o desempenho aerodinâmico das asas de beija-flor é “muito semelhante” ao de um rotor de microhelicoptero  Mas as asas eram até 27 por cento mais eficiente que eles.

Será então, que a solução para os helicópteros seriam hélices maiores?

Via HFPOST


Compartilhe.

Sobre o Autor

Douglas Amaral

Um cara que gosta de Tecnologia, cultura Oriental e é muito curioso. Gosta bastante de Dragões, e Batata frita. E por isso não vai viver por muito tempo!